Brasão

As folhas de figueira, representadas no escudo, referem-se às armas do capitão Luís de Loureiro que se notabilizou pelas armas, nas duras lutas travadas contra o Islão, no Norte de África, no séc. XVI e que viveu em Loureiro (terra que possui seu nome).
Os vértices centrais representam as elevações (Caramulo e Estrela) que circundam, ao longe, a freguesia de Silgueiros. A peça triangular representa os espaços verdes envolventes, aparecendo dentro dela dois elementos fundamentais: a representação do Vinho do Dão, através do cacho de uvas e os rios Dão e Paiva.

Bandeira

A Bandeira da Freguesia de Silgueiros é quarteada de duas peças amarelas e duas peças azuis, com cordão e borlas de ouro e vermelho.
Ao centro, há um escudo vermelho, cinco folhas de figueira verde, nervadas e perfiladas de ouro. Em brocante está um mantel de verde, perfilado de ouro, carregado de um cacho de uvas, folhado de ouro, sobreposto a um pé ondado de prata e azul.
Em cima surge uma coroa mural de quatro torres de prata, enquanto em baixo surge, num listel branco, com a legenda a negro, em maiúsculas: “VILA DE SILGUEIROS”.
O amarelo da bandeira simboliza o Sol, um factor preponderante para o microclima de Silgueiros pela sua intensa luminosidade e duração, enquanto o azul da bandeira simboliza o céu e os rios Dão e Pavia que ladeiam a freguesia de Silgueiros.
Da combinação do amarelo e do azul da bandeira resulta o verde que simboliza o campo que invade a paisagem de Silgueiros.